domingo, 30 de outubro de 2011

DNJ - 30/10/11

"Neste dia, nesta data
Que agora, trata e retrata
A juventude mais que ausente
A juventude distante
Tão pouco atuante
Onde estão? Quem são?
Os jovens de outrora
Presentes aqui
De imagem, às vezes, surrada
De coração íntegro na caminhada
Já não caminham com tanta agilidade
Seus passos realçam fragilidade
Jovens de espírito
Cabelos brancos do tempo
Sempre jovens...
- Mas, onde estão os jovens?
Os jovens que perderam sua juventude
Os jovens que perdem seu compasso
Os jovens que não sabem o valor de um abraço
Juventude desviada, alugada
Juventude perdida, iludida
Juventude sem pais e sem lar
Juventude inquieta no olhar
Juventude mascarada, alvoroçada
Juventude de casca maquiada
Juventude... que se foi
Juventude... que perdeu seu valor
Juventude... que já não sabe o que é amor
Juventude somos nós, todos nós...
Filhos dos que já foram
Responsáveis pelos que vierem e virão
Onde estão os jovens desta terra
Que brota leite e mel?
Onde estão as sementes plantadas e germinadas?
- Neste dia, nesta data
Que as lágrimas retratam
A dor de ver partir tantos filhos e filhas
Consumidos pelo mundo:
‘Em drogas, em bebidas, em prostituição, em miséria’
Revoltados com este sistema
Que cada vez mais impossibilita sua inserção no mercado,
Ao contrário, o exclui, o bane, o enterra vivo
Sem opção, sem escolha,
Sem direito ao que é seu por direito
Neste dia, nesta data
Reflitamos e corramos atrás
De resgatar aqueles que ainda
Perambulam sob nossas vistas
Enquanto há tempo, enquanto é tempo
Antes da hostil e tentadora sujeira mundana
Os encontrar, os arrastar
E na lama os jogar...
Juventude, presente, ausente
Atuante ou não, hoje é o seu dia!!!"

Ailton Domingues de Oliveira
(30/10/11)

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

"No caminho"

"No caminho de um só
Ando ou corro, paro e penso...
O coração aponta
A razão arrebenta
Distância e saudade
Da nostálgica lembrança
Até mesmo do que não se viveu
Corrida da vida
Gotas do céu
Migalhas humanas, desumanas talvez
Força e fé contrapõem a realidade dura
Espero na esperança de que uma nova manhã
Traga em suaves brisas ou
Ventos cortantes, latejantes, pulsantes, envolventes, eloquentes
Um novo tom de cor ou de canto
Dentre os encantos que a vida oferece.
Um dia a noite será eterna,
Nem mesmo o brilho da lua será possível...
Enquanto isso, saúdo os amigos (as)
Eternos, presentes, ausentes, distantes, porém inesquecíveis...
Quem cruza o caminho, que por um único instante somente,
Tem o dom de deixar sua marca,
E fazer deste momento, um marco eterno..."

Ailton Domingues de Oliveira
 (21/10/11)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Receba os conteúdos por email