quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Trilogia de um dia K+H+DO



Você acorda com uma enxaqueca daquelas, de não conseguir parar em pé. Fortes dores de cabeça, um desarranjo físico onde frio e calor se revezam na temperatura do corpo. Luminosidade e claridade te afetam raivosamente. Ânsias e vômitos completam o enredo. Enfim, uma verdadeira lambança cósmica no organismo. Ao conseguir se por em pé, se dá conta que o período que lhe resta para trabalhar é o do início da tarde em diante.

No trabalho, num primeiro instante que sai, ao retornar se dá conta que sua chave está lá dentro, trancada com suas coisas. Está preso do lado de fora e no aguardo, por mais de meia hora intermináveis, num sol escaldante e numa claridade especial só para você que se recupera da doida da enxaqueca. Encerrado o expediente comercial ou o que sobrou dele, segue seu trajeto e sua rotina de todos os dias, como de costume. Só não se dá conta que os dias em si não são rotinas ao pé da letra, afinal sua companhia hoje é a danada.

Ao chegar em casa encosta sua moto do mesmo modo de todos os dias e no mesmo lugar, talvez uns centímetros para a direita ou para a esquerda. No exato momento que retira o capacete, hum... o "fiofó' de uma pombinha que aguardava ansiosa por sua chegada, se deslumbra ao ver sua cabeça careca como referência ou alvo para então partilhar contigo com o despeito de quem está por cima... Sim, literalmente foi uma cagada vinda das alturas. Se bem que a sensibilidade aguçada que a enxaqueca te dá antes, durante e depois da crise, permite-lhe ouvir vozes além do normal e nessa hora algo sem "cabidura" foi cochichado entre três pombas que tramavam uma aposta para saber quem acertaria a bosta no careca, no caso, eu.

A vontade era escalar o poste, descobrir qual delas estava com o "anel" espanado ou que propositalmente havia me... me... acertado. Não pensem que queria matá-la! Longe disso. Muito menos entregá-la ao trio de amigos caninos de casa, como brinquedo vivo. Queria mesmo era encurrala-la, amordaçá-la e retribuir da mesma forma, cagando na sua cabeça. Assim, sim, a vingança seria legal!!!

Bom, finalizando a trilogia de um dia cagado, restou-me dormir mais cedo para ver um novo dia começar direito. Se for meu amigo pode rir. Se for colega pode dizer "bem feito". Mas, se for inimigo, tomará que tenha a sorte de, no mínimo, ser cagado por uma pomba!

Esse fato aconteceu tem umas três semanas. É igual a regra dos três tropeços. Tropeçou a primeira, fica esperto com a segunda. Se der a segunda, a terceira é fato. (rs)

Frases "3i": irritantes, intrigantes, irreverentes...

Em 29/08/12:

"O que é, o que é: você paga mas é mal atendido; se não for mal atendido esbarra na burocracia; se não for burocrático o sistema é lento; se o sistema não for lento você é mal atendido??? R.: CONVÊNIO MÉDICO"

*********************************************************************************

Em 28/08/12:

‎"Prefiro abrasileirar a fala usando a palavra 'DINGO', mas quando se busca no 'GUGOL' aparece uma espécie de lobo. Desculpa aê!!! Vou ter que usar o 'tar' do JINGLE messssss."

"Profissionais da fé compram sua alma para roubar seu dinheiro!"



"A baixaria começou! Dá pra perceber como alguns ditos candidatos pensam sobre o que significa política: um palco, um jingle escroto, banner's espalhados e uma turma de desordeiros maus caracteres trabalhando a favor!"

"Candidato honesto não se preocupa com a concorrência mas sim em conquistar seus eleitores com uma boa e limpa campanha, proposta de trabalho descente, coerência, ética e boa conduta perante a sociedade. Vixe! Lascou!"

"Notícia da terrinha, onde a vida acontece: "Gaiato busca força na turma da festa da maconha para o seu trabalho desonestamente eleitoreiro."

*********************************************************************************

Em 27/08/12:

"Se, eu fosse um candidato e escolhesse para trabalhar comigo, pessoas de conduta nada social, nada amigável, ao contrário, tudo mascarado, tudo denegrido, uma verdadeira festa de banda podre o que será que pensariam a meu respeito? Fica a dica: 'Escolha com quem andas e direi quem és!'"

"(...) Mas que eu vi, eu vi! Acho que vi sim! Tenho certeza que vi! Coitado do povo que se ilude com a farsa...!"


"Essa linha do tempo é o ku do face!"


"Pito pito pito!!! Assim vc mata o papai!!! Primeira instância foi vencida e pelo que soube o gaiato perdeu!!! Logo logo mais informações da terra do Toca (Udi-MG)!!! Hehehe, valeu JUSTIÇA ELEITORAL!!!"

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Onde você estava?

Domingo, 26 de agosto de 2.012. Missa das 17:30. Comunidade de Imaculada conceição.

Eu e o Felipe chegamos com apenas uns dez minutos de antecedência, tendo em vista que não ia compor o grupo de canto neste dia. Ao adentrar no espaço que antecede a porta da Igreja, o caminhar é sempre mais lento, pois os cumprimentos entre os irmãos e irmãs como forma de acolhida e amizade tende a demorar.

Vi que ele passou, cumprimentou o padre e mais algumas pessoas e foi para dentro. Consegui avançar e lá estava eu a procurá-lo. Nada de o avistar. Retornei para fora imaginando que já estivesse na praça em frente, pendurado em algum balanço. Nada também.

Estava ficando intrigado, pensando que no mínimo estivesse no pátio brincando, num corre do jeito que ele gosta. No instante dessa segunda entrada para a Igreja nos encontramos. "Onde você estava?" pergunto pra ele. Nada me respondeu.

Passado alguns instantes... "Pai, você foi rezar no Santíssimo?" Pronto! Caiu minha ficha. Por eu ter demorado na entrada, ter voltado e entrado de novo, acabou que os lugares já estavam quase todos ocupados. Então, assim que o encontrei, logo sentamos e nos acomodamos. Enfim, não fui ao Santíssimo.

Respondi que não fui porque estava procurando por ele. Bom, só pra finalizar, eis a resposta: "Pai, quando você não me encontrar, não fique preocupado, eu vou estar rezando, sempre."


Ailton Domingues de Oliveira
27/08/12

"Liga da Canastra - Episódio I"


"Liga da Canastra - Episódio I: Quinteto Fandásdigo em Si Bemol."

"Enquanto isso na 'Sala do Poder - R$' a 'Liga da Canastra' composta pelo 'Quinteto Fandásdigo em Si bemol' se junta para tramar e decidir o destino do fruto proibido, usurpado, perdido e roubado da podre corrupção maquiadamente escancarada.

Qual sua missão? Ferrar com o sistema e a população!

Quem são eles? PicareThor, Fanfarrão Kid, Charlatão Mor, Veiacão e Gaiato.com.


O que eles têm em comum? Artigo 171!

Usam de sua picaretagem para aplicações de golpes concisos no sistema alheio. Vislumbram o lucro a qualquer custo. Lasque-se o mundo! Arruaceiros, desordeiros, bagunçam de forma expressiva o ambiente tentando seduzir o público com sua falácias inescrupulosas. Invocam seus falsos poderes, na expectativa de seduzir o público para então extorqui-los. Na ausência dos poderes, que nunca existiram, pagam para comparsas dramatizarem um enredo fictício. Pior que tem gente que acredita! Tamanha ganância, passam a perna entre si, quiçá nos que lhe atravessam o caminho. Têm o talento de desaparecer... Desaparecer com o dinheiro alheio. Sempre!"


Ailton Domingues de Oliveira
27/08/12

"Essa é boa: 'Política é Política!'" - Parte III: Intimidação Selada.



Agora é pra valer!!!

Fiquei sabendo há pouco que tiveram a audácia de rasgar o banner da minha candidata, Marli Anastácio, que estava afixado na frente de sua própria residência. Mas, num tem nada não. Fica forte minha amiga guerreira. Estamos juntos! Estamos Unidos!!!

O "zékueka" deve estar se remoendo. Está tão incomodado que precisa jogar de maneira desonesta. Que molecagem!!! Ói só: "Isso não atrapalha e não intimida por mais que seja a sua vontade. Ao contrário, dá forças pra lutar mais e mais e no mínimo abrir os olhos das pessoas para que não elejam gente que só tem interesse em engordar o próprio rabo."

Mas, num há di sê nada não! Nóis é arretado tamém, sô!!! Podi até mi prendê, mas a minha voz ninguém cala e a minha liberdadi ninguém tira!!! Morro, mas morro livre de quarqué amordaça sociar!!! Sem medo de ser feliz! E como diz a música: "Se calarem a voz dos profetas, as pedras falarão!" Que seja assim!

E... onde há fumaça há fogo! Acredito que somente a Lei do Ficha Limpa não é o suficiente. Penso que, de alguma forma, por mais difícil que seja, seria tão bom uma investigação mais detalhada de cada candidato. Verificar até as poerinhas encrostadas nos cantinhos do seu submundo... Nos bairros, onde a vida realmente acontece, a gente houve cada absurdo do arco da véia. Tem gente que vê mas num fala, por medo ou por preguiça e compassividade. Tem gente que num vê por ignorância ou por não querer. Tem gente que só quer assistir a bagaça de camarote. Mas, de vez em quando, a gente encontra uma turma que é pau pra toda obra e num tem medo de botar lenha na fogueira. Eu gosto disso!!!

Força minha amiga guerreira Marli Anastácio!!! Estamos juntos!!! Estamos unidos!!! 


Ailton Domingues de Oliveira
27/08/12

"Essa é boa: 'Política é Política'!" - Parte II: à espera!



"Essa é boa: 'Política é Política!'"

(Parte II à espera. Tá no forno!!!)

To na espreita ansiosa para dar continuidade no tema acima. Por enquanto tudo ficou nas entrelinhas de uma intimidação selada. Como não dei mole parece-me que o fogo foi reduzido à fumaça. Mas, como gato escaldado, onde há fumaça há fogo, continuo engrossando o caldo pois quando chegarem o banquete estará pronto e com direito à sobremesa!

Só fizeram questão de rasgar o banner da minha candidata... "Que meda que me deu!!!" Num tem nada não, agora vou colocar um maior do lado de dentro, acima do muro! E que venham os "pés", as "mãos", a "cabeça", o "corpo todo", seja de ferro ou de aço, do material que for, porque aqui "companheiro" a madeira é arretada!!! Vem quente que eu to fervendo!!! Aoooooo lasquera!!!

Para quem não leu ainda e quiser se inteirar do assunto segue o link: http://ailtondominguesoliveira.blogspot.com.br/2012/08/essa-e-boa-politica-e-politica.html


Ailton Domingues de Oliveira
27/08/12

"Trezentona, sua linda!"



"Trezentona, sua linda!
Almejada e buscada
Marcada e ousada
Na história dos cantos
Repletas de encantos
Que re-significam a vida
Alegre, otimista ou sofrida...

Trezentona, sua linda!
Que aqui não se finda
Mais cem e mais cem
Que nada nos detêm
Poesias, alegrias, folias
Mais histórias, mais memória
Amizades, verdades, vaidades
Vitórias, glórias...

Trezentona, sua linda!
Nem menina, nem felina
Nem modesta, nem arrogante
No tom que há de ser, picante
Sempre inteira, inteiro seguimos
Jamais pela metade
Jamais na desistência findamos
E em breve mais mil alcançamos...

Trezentona, sua linda!
Marco de minha vida
Partilha dos amigos
Desespero dos inimigos
Que Deus nos fortaleça
Que o bem prevaleça
Que a ousadia aconteça
Que as vozes não se calem...

Trezentos escritos
De Cantos & Encantos
Da Vida, do Céu, da Poesia,
E de DEUS
Para quem não acreditou
Cá eu estou
Para quem, momentos partilhou
Um grande e fraterno abraço
Daqui deste manso regaço
Onde não há medo e se houver fracasso
Será lição de recomeço
Impulso pro levante
E, depois, avante!"


Hehe!!! 300 Escritos alcançados!!! Este poema é uma edição comemorativa. Mas, ainda me fiz algumas ponderações acerca de tantas palavras desprendidas durante este trajeto: "o que isso me acrescentou além de críticas e elogios? Conquistei simpatizantes mas também arrogantes e arquirrivais. Fiz prosa, fiz verso, côncavo e convexo, fiz crônica, fiz crítica, denúncia e piada, chacota e marmelada, enfim, fiz o que deu vontade de fazer." Um dia eu sei, alguém vai lembrar, vai ler, vai rir, talvez chorar... O importante mesmo foi marcar a história e que seja tão somente a minha e mais que isso, foi bom saber que amigos e amigas, sempre estiveram perto... Obrigado a todos e todas que desprenderam tempo e leitura durante esses 300 post's!

Ailton Domingues de Oliveira
27/08/12

Dor que já fora amor




"O tempo futuro
Adiante vai te lembrar
Desta chama que teima
Em não se findar

No medo e na incerteza
Sem segredo e sem destreza
A fala que não mais distrai
O olhar que se voltou atrás

Caminhar ferido em meio à solidão
Palpitar gemido de um levado coração
Futuro sem fim para o sentimento
Seguro ruim de um tal momento

Por que tanto teimas meu coração?
Por que o pranto da costumeira solidão?
Na sincera queixa do meu ser
Na espera a deixa de um novo amanhecer

Suave e meiga, a brisa leve tende a afagar
Alegria minha é a mão de Deus a consolar
Na tenra terra, de um mundo inquieto
Amarga espera, para um pulsar mais perto

A flor podada firmou raiz
A dor guardada, antes fora caminhada feliz
Barreira imensa, a separar os mundos
História tensa, a persistir profunda

Inquieto coração
Amarga solidão
Eterna dor
Que já fora de amor

Vida ligadas
Promessas firmadas
Eterna dor
Que já fora de amor

Ainda persiste
Coração não desiste
O corpo resiste
Mas,
Eterna é a dor
Que também é por amor..."

"...vai lembrar de um cara como eu
que tem amor mas não sabe muito bem como vai dizer..." (Seguindo no trem azul - Roupa Nova)


Ailton Domingues de Oliveira
(26/08/12)

Silêncio do mundo, inquietude de Deus

"Silêncio do mundo

Inquietude de Deus"

(...) é o que todos precisam! O silêncio é causa de medo. Medo de nos encontrar em salas e compartimentos de nosso ser, nunca antes visitados. Medo de nos deparar com a voz de nossa segurança, a voz de Deus.

Num sonho, algo de real me levou a anotar o que acontecera. A Hóstia Consagrada, em exposição no altar... Ao acordar fiquei a pensar o que poderia me revelar tão místico sonho. Não só a minha falta de Deus e com Deus mas, principalmente, a falta Dele por mim...

Este sonho aconteceu no dia 02/01/12 e somente hoje, 26/08/12 me remeto a este silêncio exterior refletindo sobre "o" plano de Deus. E o melhor, em minha vida.

E Ele então me revelou de várias formas que por mais que eu não tivesse feito o que realmente devia ser feito, o importante era que eu estava ali e Ele comigo, sempre perto, mais perto... Senti que sentia Sua falta e Ele a minha...

E pra finalizar, ainda no contexto da murmuração e degustação desse sonho concluo que numa simples e mística mensagem "Deus é uma fonte inesgotável e a Fé uma sede insaciável" que nos impulsiona a cada dia mais arregaçar as mangas ao trabalho que nunca se finda.

Ailton Domingues de Oliveira
26/08/12

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Flores cultivadas e cativadas à distância.

"Na ânsia de um encontro
Que se formaliza em cada escrita
Tão bendita, tão benquista,
Esperada e compartilhada
Em tons que só cabem alegria,
Não menos a nostalgia
Que nos remete a tempos de teimosia
Maravilha esse elo, em mundo paralelo
Tão autêntico em mera e triste ausência
Que já com tanta importância
Na dolorosa distância,
Hoje, benquerença é essa frequência que sustenta
Que nos impulsiona a prosseguir
Nossos sonhos alcançar
Nossas feridas curar
Nossos vôos alçar
As mãos ao se ajuntar
Numa mesma direção à caminhar
Na solidão da matéria
Que a amizade desfaz a quimera
E transforma em palpável paladar
O desfrutar de cada inscrito
Bonito, chorado, surrado... superado
Amargo e cruel
Que o nosso papel
Nos transmite, por vias do Céu
O sentimento fiel
De um amigo de corpo ausente
De alma e coração que bate presente
Desta flor que já foi semente
E agora, és regada e cuidada
Cultivada, amada, cativada...
Revelada na mais íntima sinceridade
Nossa tão sublime amizade."

"Jane e Riete, não pudera tão maravilhoso encontro acontecer em outro tempo que não fosse este, mais que pertinente e próprio... Uma oportunidade Divina de reescrever e recontar histórias... Mexer, curar e libertar, superando, antes de qualquer obstáculo, a si próprios... Na Fé que nos permite caminhar em meio a distância e ausência, no sonho de um dia reencontrar irmãos que nos são queridos, na luta diária, solidária e solitária que travamos em mundos distantes, que esta chama que aquece a alma com alegria de viver em meio a tempos difíceis, em tons de poesia e nostalgia, fica aqui o meu carinho, respeito e admiração por suas pessoas e familiares, com votos de amizade e saudade que o tempo não finda..."

Ailton Domingues de Oliveira
24/12/12

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Sou livre

"Sou livre
Quando não me calo diante das circunstâncias 
Quando não me omito frente às covardias
Quando denuncio as injustiças
Quando encaro a hipocrisia

Sou livre 
Quando não me ausento dos fatos
Quando não me escondo dos atos
Quando não preciso de máscaras ou
Quando as uso sem modéstia

Sou livre
Quando minha luta tem razão
Quando minha fuga é sobrevivência
Quando voz ressoa na canção
Quando me elevo a Deus em oração

Sou livre
Sempre o serei
Na liberdade que o mundo desconhece
O ignorante não percebe
E os sistemas camuflam

Sou livre
Pra pensar, pra falar e pra lutar
Pra correr, pra viver e vencer
Mesmo que as vitórias sejam solitárias
E que as derrotas sejam aplaudidas

Sou livre
Mesmo diante do medo
Mas, sou ainda mais livre
Tamanha ousadia que o vence 
O afronta e o mantém refém da coragem que irmana

Sou livre
Assim eu sou
Como Deus me permitiu
Ninguém me cortará essas asas
Ninguém conterá a minha voz"

"Todo homem morre, mas nem todo homem vive." (Coração Valente)

Ailton Domingues de Oliveira
23/08/12

Vermífugos para os vermes.



"Vermes (...) se tratam com vermífugos. Ou, com antídoto pra falta de caráter!"

Sempre é aconselhável, isto eu ouvia em bons tempos,
antes de dar aquelas famosas vitaminas caseiras com "biotônico" + ovo de pata + leite condensado e outras "cositas" mais, um matador de vermes pra botar as "sucuris" pra fora. "Não adianta de nada tomar vitamina se tiver com verme. Vai engordar os bichos!", diziam os vovôs.

Em contemporaneidade surrealística prosaica metamórfica falsária (...), surpreendam-se, não é diferente! Banindo os vermes com doses cavalares de honestidade e verdade, sem medo do ricochete, com certeza, se Deus quiser, e ELE quer, a classe então aqui citada será coisa em extinção!!! Só assim para que as vitaminas sejam partilhadas e tomadas sem perigo de se perderem pelo caminho e atinjam o seu real objetivo...

Vermes atrapalham o desenvolvimento humano!


Ailton Domingues de Oliveira
23/08/12

"Essa é boa: política é política...!"

 Eis que diz o cidadão candidato: "política é política!!!"

Chega ontem no portão da minha casa um um dos, dentre os mais de quinze candidatos à vereador que surgiram no bairro onde moro, o sr."Pé de Ferro", tal como tem se apresentado por aí. Disse que já estava de posse da autorização do dono da casa, que por sinal é seu primo, e que iria pintar os muros. Estava acompanhado de outra pessoa que  desconheço.

Minha resposta foi única: "NÃO!!! NEM TE CONHEÇO!!! E OUTRA, TENHO A MINHA CANDIDATA E JÁ TEM UM BANNER COM  PROPAGANDA DELA!"

Ele insiste em falar que a Justiça assim determina, quem manda é o dono e exemplificou citando que um outro candidato que pintou o muro com autorização apenas do inquilino pagou uma multa de valor exorbitante. Em suma e de maneira indireta, manda quem pode!

Mantive minha palavra e só mudaria algo se o proprietário viesse falar comigo. Do contrário nada feito. E mesmo que não houvesse acordo, e ele acabasse por pintar os muros, do lado de dentro eu autorizaria a colocar cartazes, faixas, o que coubesse. Afinal, do lado de dentro mando EU!!!

A conversa finalizou com um chavão que, realmente seria cômico se não fosse vergonhoso e remetesse a um tom de insegurança ao que poderá acontecer futuramente, caso o sr. Pé de Ferro seja eleito.  "Você sabe que política é política, né? Se a casa fosse de um primo dela, com certeza ela faria o mesmo!" disse o candidato. Este mesmo argumento se repetiu por outras vezes, "política é política (...) cê sabe, né?"

Agora me coloco a pensar, se antes de se eleger uma pessoa tem pensamentos e atitudes desse tipo imagina só o que vem depois das eleições! Política é política realmente! E digo mais, não é vale-tudo! Não é pra atropelar quem aparecer pela frente à fazer valer o seu desejo. No tom que ontem escutei por repetidas vezes que "política é política" dava muito bem a entender que na política vale tudo...

Uma pena! Pois, a política em si anda carente não só de bons candidatos mas de pessoas que se interessem realmente por essa arte do bem comum. E, uma vez interessadas e ou inseridas no meio elejam nomes conscientes e que façam jus ao cargo. Mas, de repente, vem alguém e sem pensar direito nas palavras deixa uma imagem ainda mais deturpada daquilo que há muito é causa de asco...

Seria ainda mais engraçado se não fosse literalmente afrontoso! "Política é política" é na casa do chapéu!!! Ao "lasquera"!!! Vai estragar o sistema pra lá, sô!!!

Ailton Domingues de Oliveira
(23/08/12)

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

"Fragmentos"

 Engraçado! Com o passar do tempo adquirimos atitudes que muitas vezes criticamos em nossos pais ou avós, por considerarmos, de certa forma, desnecessários ou supérfluos. Sinais do tempo. Tempo que passou. Envelhecemos. E, que bom! Pois, permanecer como antes, sem o sabor do aprendizado, sem o gosto do levantar após o tombo significaria passar uma vida desapercebido de si, quiçá do mundo!

Quantas vezes, em tom de brincadeira ou sério, indagamos o porquê de tantas quinquilharias guardadas em forma de lembrança pelos nossos pais? Não foram poucas. Ah, mas esse menino levado chamado tempo, que concorre sempre em nossa desvantagem, nos ensina juntamente com a menina que chamamos de vida. E eis que essa dupla "tempo e vida", um casal perfeito, nos permite escorregarmos nas destiladas de nossa própria língua.

Cá estamos nós, juntando "trecos", quinquilharias, as ditas bagunças organizadas, que reservamos caixas e mais caixas de arquivos morto em uma dispensa, que uma vez a cada cinco anos no mínimo, abrimos uma a uma eliminando em gotas homeopáticas certos adendos. 

Pedras sem valor que se tornaram preciosas. Folhas secas de flores de um outono bem passado. Escritos sem nexos, sem conteúdo de pessoas que nem lembramos o rosto. Frases feitas anotadas em cadernos e que algumas ainda carregamos na memória. Personagens épicos recortados de revistas e colados em folhas soltas. Histórias de um tempo e de uma vida contadas em objetos que só nós, autores e protagonistas podemos lembrar e contar. 

A limpeza é necessária. A gente consegue guardar "bugiganga" que nunca vai ser necessária em nada. Apenas ocupação de espaço. Guardamos para "se" um dia precisar! E esse dia nunca chega ou se chega nem lembramos da existência de um parafuso guardado num vidro de azeitona vazio no fundo da gaveta do armário na dispensa que adentramos uma vez ao mês. E olha lá!

Com o envelhecimento, fazemos questão de carregar histórias além de objetos. Queremos manter sempre perto tudo aquilo que um dia nos fora bom, útil, fez-nos rir ou deixou saudades. E assim transferimos esses dotes para nossas futuras gerações que nos criticarão e depois, da mesma forma, ajuntarão "histórias".

Um dia, limparemos quase tudo. Quase tudo! Pois, na medida que nos desvencilhamos de coisas passadas outras novas tomam novos lugares. É quase que uma reciclagem de fragmentos em nossa história, no tempo e na vida.

O que salva, o que nos permite intactos na nossa própria história não são a quantidade de objetos que amontoamos durante nossas fases em vida. Aquilo que nos permite suspirar em tom de alegria ou tristeza, é simplesmente o que carregamos no baú da nossa memória. Objetos são interessantes para marcar época sim, bem como pessoas principalmente. Porém, viver desses fragmentos nos torna reféns de minúcias que não nos acrescentarão em nada neste tempo presente. 

Lembranças e limpezas. Tempo e Vida. Fragmentos de nossa história, em nossa memória selados. Tons que embelezam, entristecem, aproximam, distanciam, libertam ou aprisionam na dispensa do nosso ser. Na medida certa, tudo condiz para o bem da nossa estadia neste mundo.

Fragmentos...


Ailton Domingues de Oliveira
22/08/12

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Pensamentos em gotas de realidade.




"A eternidade da flor não consiste em durar para sempre mas sim fazer o seu papel no tempo que lhe houver de vida."


"Aprendemos a viver sem a presença daqueles que nos dão forças e muitas vezes não conseguimos desprender de quem nunca acreditou, ao contrário desdenhou. Nos aprisionamos ou nos permitimos ser aprisionados em meras ausências de fatos e atos."


"Queria saber menos que eu sei... Entender menos do que entendo agora... Quem sabe assim na vida leiga e sem pormenores ela seria mais real e intensa e me retornaria paz."


"Aprendi que tenho muito a aprender, principalmente com os cães por sua tamanha sinceridade. O carinho que têm para conosco dispensa formalizações, é gratuito e desprovido de intenções. Apenas gostam por gostar. Está no seu olhar."


"A máxima então há tempos falada 'Quer conhecer uma pessoa dê poderes a ela!' sempre tão notória e presente nas alas da sociedade seja política, religiosa ou afins permanece contemporânea e assim será enquanto houver hierarquia. Quem sobe tende a mostrar que manda..."



Ailton Domingues de Oliveira

21/08/12

Pitacos: pastorear tem que ser de perto!

Aproveitando a ação imediata do Excelentíssimo e Reverendíssimo Bispo Dom Paulo, quanto à questão da suspensão do Pe. Amauri, levando em conta todas as advertências previamente explanadas, e com as razões embasadas no Direito descritos naquele Decreto de Suspensão do Uso de Ordens, sem querer ainda e por hora, questioná-lo quanto ao ato, gostaria apenas e tão somente de convidá-lo a olhar mais de perto, e quem sabe participar, das entranhas de nossa Santa Igreja.

Não só Santa mas também pecadora, óbvio. Sem chover no molhado, vou direto no ponto. Que tal dar uma olhadinha nas igrejas com excesso de adornos, onde o que vale é o investimento feito e não os fiéis? Que tal olhar de perto os viajantes internacionais que não se cansam em mostrar suas conquistas glamourosas em terras estrangeiras e expor suas fotos à quem quiser ver? Que tal visitar as mansões suspensas durante a calada da noite e flagrar os tantos cascos de bebidas alcoólicas e caríssimas, claro?

Entendo a dificuldade de pastorear e quem dirá sombrear cada um dos consagrados que fazem o uso da ordem. Mas fica a dica, dá uma olhadinha nas redes sociais. A falta de escrúpulos é tanta que nem sentem vergonha de expor suas festas engaioladas com comidas absurdamente caras. Usam a igreja como trampolim para conquistar causas próprias. O Reino de Deus?!? Hummm... é uma "terra tão tão distante"!

Salientando que não estou aqui para tomar partido contra ou a favor ao Decreto de Suspensão de Ordens, imposto pelo Excelentíssimo Bispo, afinal tão pouco conheço o padre suspenso. Mas creio que existem assuntos de teores bem mais elevados e que de certa forma estão desapercebidos aos vossos olhos e ouvidos.


PS.: "Decreto de Suspensão do Uso de Ordens"
Link: http://www.elodafe.com.br/index.php?option=com_docman&task=cat_view&Itemid=1485&gid=5&orderby=dmdate_published&ascdesc=DESC

Ailton Domingues de Oliveira
21/08/12

"Do Coro das Virtudes"



"Santo Anjo,
Do Coro das virtudes
Que a maledicência que por vezes me circunda
Seja banida
De toda a minha vida
Para o abismo do mau, de uma vez por todas!

Santo Anjo,
Do Coro das Virtudes
Que a tua digna e honrosa presença ao meu lado
Seja força e coragem
Me eleve a devoção à Deus
Me reconstitua a Fé no Salvador, Cristo Jesus!

Santo Anjo,
Do Coro das Virtudes
Que a tua força e destreza divinas
Abram o caminho e removam os obstáculos do pecado
Para que o meu andar seja calcado
De segurança e de devoção sob a Luz de Deus que ilumina!"


Ailton Domingues de Oliveira
21/08/12

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Entre a fama e a luxúria habita também o status e o poder.




Existe uma certa confusão ou quem sabe ignorância mesmo, ou pior que tudo isso, excesso de falta de caráter!

Casa de Deus, a Igreja, somos nós. Nós, povo de Deus, precisamos do pastor que nos orienta, nos conduz. O condutor, pastor, vocacionado, dedicado, estudado, entendido, sábio por sua humildade, não precisa ser arrogante por mera inteligência.

Fazer do Templo Sagrado um lugar de riqueza e adornos tão somente é tornar aquilo um sepulcro caiado tal qual como diz a Escritura Sagrada. Se o povo, parte viva da igreja, não pode em sua simples presença participativa, nem se quer tocar ou quem dirá sentar-se, para não estragar os bancos almofadados então pra que o templo?

Falso profeta! Hipócrita! Falso pastor! Lobo disfarçado! A Igreja não é sua! Com ou sem você ela existirá e sobreviverá. Instrumento pervertido! Você satisfaz o teu próprio ego. Usa o nome de Deus para sua causa própria: a luxúria. Esbanja com coisas supérfluas! Faz questão de exibir seus documentários e relatórios de viagens internacionais.

Tenho vergonha de padres como você! É por causa de pessoas assim que a nossa igreja Católica paga o preço. É por causa de atitudes de um hipócrita como tu que a nossa religião tem sua imagem denigrida. Devia fazer como tantos outros ditos cristãos de araque: abra sua própria igrejinha onde possas ser o deus dos tolos e tornar-se famoso. Aproveite e cobre dos teus comparsas o pedágio para o céu.

Se é como dizem, que tua origem tem posses, escolha o deus que quer servir. Exerça seu voto, seja autêntico com você mesmo. Seja Padre ou seja podre de vez! Não use o celibato como trampolim para o estrelato.

Aproveita e leia Mateus 19,16-22.

Ah, entre um estrelato e outro não se avexe em colocar ou retirar sua identificação de padre. Já sabemos que usa isso apenas para tua causa própria: a fama.


"O gaiato e as sarapucas"




Não sei o que é pior, saber que o gaiato armou tudo a seu favor ou escutar esse dingo  de mau gosto, entre outros tantos do mesmo nível ?! "Ai ai ai ai ai ai..." assim você nos mata com tanta porcaria aos ouvidos!

Mais de dez candidatos num mesmo bairro, é mole?!? E eis que, surge das entranhas das máscaras sociais, do mundo dos gatunos, onde Maquiavel ficaria no chinelo, um novo candidato a super-herói: SG!!! Algo de inspirador tocou no coração ou no ego ou talvez os cifrões tenham aguçado os olhos da ganância do dito cidadão, que em caráter de última hora, tornou-se mais um candidato... Apenas, mais um.

Primeira "sarapuca": "Crianças, tem filminho na minha igreja, mas não pode ir sem levar o papai ou a a mamãe. De preferência levem os dois!

Segunda "sarapuca": "Gente, reunião da associação dos moradores de bairro só na minha igreja! O local é ideal. Tem infra-estrutura adequada. Podem ir, não tem nada a ver! Eu não serei candidato, pois já tenho o meu."

Terceira "sarapuca": "Pessoal, mudei de ideia. Votem em mim!"

Sabe, não basta ser vocacionado. Tem que ter capacidade. Não basta ter vontade se não tiver talento. Tem que estudar, se dedicar e abster-se de certas regalias, e até de sua própria vida, principalmente para então se auto eleger ministro de Deus, ou um pregador, ou um missionário, ou um padre, e ou... um pastor. E pra representar o povo não é diferente. Tem uns que usufruem de seus rendimentos para curtir a vida. Ta na mídia!

Ser maquiavélico não é garantia de vitória, não é sabedoria e nem garantia de que as decisões serão certas. Ainda mais, se essa característica de querer ganhar sempre estiver mascarada nas ditas benfeitorias sociais, que nunca aparecem, mas que no fundo são somente a favor de interesse próprio.

Super Gaiato, assim você me mata! Cuidado com as suas "sarapucas". Você pode esquecer onde as armou e assim cair na própria armadilha! Estarei lá, estarei ali, estarei perto, sempre perto...




PS.: "Sarapuca": a escrita no texto acima foi acrescida da letra "s" apenas para satirizar o enredo. O correto é "arapuca": é um artefacto, de origem indígena no Brasil, que consiste numa armadilha, feita de paus, com formato piramidal, e destinada a pegar vivos aves, pequenos mamíferos, ou outros animais de caça.

Ailton Domingues de Oliveira
20/08/12

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Pensamentos em gotas de diversidades.


"Senhor, fortalecei-me da Tua presença
e na Tua presença
Que jamais eu me sinta forte
para que sempre volte
Em tua sombra repousar-me
e em tua fonte saciar-me,
pois somente em Ti estás a minha força."


"Na ausência dos atos
Restou-me a fecundidade dos fatos
Em cenas estáticas de uma realidade
Que nunca foi a minha.
Isentarei-me de curtir a vida de outros tantos
Ou melhor, o status da maioria
Que no disfarce e na hipocrisia
Teimam em viver
No imaginário mundo do faz de conta
Preso a tantas bajulações esporádicas que nada significam.
O mundo não é uma vitrine
Mas, se nada mudar não passaremos de produtos descartáveis."


"Se pensar em algo para presentear alguém dê um livro. Se você não conhece bem a pessoa, então dê 'o' livro. Se a conhece bem, dê dois livros. Mas, se ainda assim, continuar na dúvida, vá numa livraria e compre um pra você também. Detalhe! Não gosto de livros, sou um mero viciado. Me dá um livro?"


"...O tempo que durar que dê resultado..."



Ailton Domingues de Oliveira
17/08/12

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Pensamentos em gotas de desfecho.



"Não é o fim, apenas a pausa para o recomeço..."


"E quando sentir que doeu sem ter se machucado, e ao olhar ao redor e ver que só restou ausências, e quando o único perfume exalado é o da flor que fora plantada, estarei então a sós. Apenas a sós de todos aqueles que fizeram questão de ausentar-se da minha companhia. A solidão é dos humanos e não de DEUS. Ainda assim, por mais amarga e triste que seja essa eterna partida, no silêncio inquieto ou não, jamais findarei-me sem ELE!"

"Basta dar o primeiro passo, depois o segundo e logo mais já será uma caminhada..."


"Se o acaso me impedir de prosseguir estarei esperando por seu doce regresso. Se a visão deturpar-se e ousar a não mais enxergar além, simplesmente lerei. Se a fala já não mais expressar o sentido do sentimento, simplesmente me calarei... e escreverei mais um pouquinho."


"E sei que as batalhas diárias serão cada vez mais difíceis. E sei que no final de cada uma delas restará o consolo no silêncio da dor e do amor de Deus. E sei que Deus colocou anjos em forma de pessoas para me fortalecer e reerguer quando meu corpo já estiver surrado. E sei que dias piores virão... Mas, sei que após cada uma delas, entre vitórias e derrotas, estarei sempre pronto para um novo recomeço ou uma nova partida."


"Cuidarei um pouco mais das flores ora plantadas
Da semente ainda não germinada
Do sonho tão pouco cultivado
Do orvalho que deixa a terra molhada
Cuidarei da minha vida e das flores que nela plantei
O que não sobreviver neste tempo de cultivo
Na verdade não criou raízes ou nem plantado foi."


"E descobri que bandido tem em toda parte, pessoas desonestas e charlatões também. As redes sociais não conseguiram se isentar dos hipócritas, dos medíocres. Acabaram aceitando tudo, até escórias e lixos vários. Tipos que tentam se impor, sobrepor, verdadeiras máscaras maquiadas que exalam podridão em suas palavras. Um ópio disfarçado que impede libertação. Para quem ainda pensa, não se atém à mesmice e não se finda no ócio, é uma batalha diária conviver com a ignorância disfarçada na ala de quem tanto fala e nada faz."

"No desfecho de cada página um ponto,
que nem sempre é o final da história...
Eis o espaço, a pausa e a expectativa
de um próximo capítulo, quem sabe
uma próxima obra."

"Na esperança de encontrar em algum lugar real
A existência humanamente Divina
Abandono-me no colo de Deus,
No silêncio do coração, da alma e da oração
E me ponho a marchar pelas estradas da vida
Não mais em busca de respostas
Mas, em ações concretas de Fé e Amor."

"A melhor causa de uma vida é encontrar o verdadeiro sentido da existência não morrendo em si mesmo."



Ailton Domingues de Oliveira
(16/08/12)

Hora de entrar em cena




"Chega de espreitar a vida no ócio.
Chega de esperar pelo óbvio que os outros o consideram que seja para mim
Chega de viver a vida pelas sombras da vida dos outros.
Chega!
Hora de sair de cena da vida de muitas pessoas e mergulhar na minha.
Recuperar as rédeas e protagonizar no centro da existência.





Chega de dizer o que os outros querem ouvir.
Chega de fazer o que os outros esperam que aconteça.
Chega de sorrir pelas máscaras.
Chega!
Hora de podar a erva daninha.
Recuperar o broto que se encontra nas entranhas das plantas venenosas.







Chega de respirar o resto que exala por aí.

Chega de tentar ser o que os outros querem que seja.
Chega de fazer-se presente na vida de tanta gente que nem te enxerga.
Chega!
Hora de acordar pra realidade.
Recuperar o tempo, o espaço, o momento à partir desta mesma realidade acordada.






Chega de interiorizar e morrer na masmorra da solidão.

Chega de chorar a partida de quem nunca nem chegou.
Chega de correr atrás de um prêmio passageiro, corriqueiro, devaneio.
Chega!
Hora de entrar em cena, no palco da minha vida.
Recuperar a direção, o coração, a emoção, a razão e aumentar a Fé."




‎"A melhor causa de uma vida é encontrar o verdadeiro sentido da existência não morrendo em si mesmo."

Ailton Domingues de Oliveira

(16/08/12)

Espelhos

 (...) E a imagem foi meramente refletida...

O espelho é o objeto que nos permite ver e rever detalhes externos em nós mesmos, é aquilo que nos possibilita toques e retoques, que nos sacia o ego.

Sem perceber, nos espaços onde participamos, acabamos tanto espelhando como sendo espelhados. Por mais que o conteúdo não esteja tão à margem da perfeição, o espelho mostra a superficialidade embelezada da casca.

Diariamente me deparo com pessoas que refletem uma imagem além do que o externo possa mostrar-me. Sem perceber e sem saber elas acabam sendo espelhos. Assim somos todos. 

Por mais imperfeitos que possamos ser, ainda assim somos usados para corrigir detalhes na vida de muitos. Até nesse ponto, a inteligente e perfeita ação de Deus surpreende. 

Somos seres de conteúdo e de ações imperfeitas, porém enquanto instrumentos de Deus, somos espelhos que refletem imagens positivas na vida de muitos.

Ailton Domingues de Oliveira
(16/08/12)

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Aprendendo ser pai e ser filho












Não existe fórmula secreta e mirabolante que nos dê a ferramenta adequada ou a palavra certamente sábia para os nossos filhos. Um dia, talvez, sejamos ultrapassados. Mas, enquanto não chega, coloquemos a vestidura do herói maior para livrar nossos tesouros do mundo.


Aprendemos a ser filho com os filhos e aprendemos a ser pai com os pais. Melhoramos de geração em geração. E a cada uma, somos ultrapassados na fronteira do saber, do dizer, da vida e do mundo que se modifica feito camaleão em carnaval.


Herói e bandido, uma linha tênue, que basta uma contraposição para saltar de um lado para outro. O "não" dado naquele exato momento é o pavil para que isso ocorra no campo do coração. Seremos, futuramente, reconhecido pela firmeza deste "não" mas, jamais o seríamos se o pulso das palavras não tivesse força e convicção.


Em completa mudança em busca de melhorias, ou estacionados no canto do mundo escolhido para viver sem se prestar a querer que realidade mude, participamos ou então meramente assistimos os fatos em andamento. A opção de escolha é livre. Podemos ser pais de verdade e participar ativamente ou podemos ser pais também de verdade e deixar que o único título, o de bandido, nos atormente pelo resto de nossas vidas.








Não se mantém uma relação somente de imposições. A amizade, cumplicidade, lealdade só se adquirem na vivência despojada de limitações. Fazer-se presente não é simplesmente deixar ou não realizar cada atividade. Ao contrário, é levantar questionamentos, é fazer pensar, é correr junto, é rezar e orar de mãos dadas em cada momento possível. É mostrar seu sentimento diante do que é bom. É abraçar forte e saber dizer "eu te amo meu filho e que mesmo não sabendo a resposta para todas as perguntas estou aqui do teu lado para ajudá-lo a descobrir, bem como o que fazer diante de cada obstáculo da vida".


Ailton Domingues de Oliveira
09/08/12
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Receba os conteúdos por email