quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

O céu e as estrelas


“Mulher, Mãe, Maria...
Fostes agraciada desde o seu nascimento
Recebestes o dom de gerar a vida, de multiplicar sua descendência,
E assim o fez, com muita honradez.
Fostes abençoada no nome, e por duas vezes
Pois, escolheram para ti o mesmo nome da Mãe do Salvador:
- ‘Maria’
E não bastasse:
- ‘Maria da Conceição’!
Recebestes no seu céu Dez estrelas e elas também frutificaram
Soubestes o nome de cada uma em particular, sem esquecer nenhuma
Fostes o céu na vida delas,
Fostes o paraíso,
Fostes o esteio,
Fostes o universo,
Simplesmente, fostes o exemplo digno de uma mulher guerreira,
Que por dez vezes disse ‘SIM’ à vida, ao amor, à Deus.
Plantastes em cada filho a semente eterna
Não destes a riqueza do mundo
Mas sim, a riqueza do céu, eternizada no coração de cada um,
Aquela que vem de Deus: dignidade, honra, respeito e amor
E, cada um seguiu seu caminho com os dons herdados...
Quiseste tanto o laço fortalecido da família
Seus olhos e ouvidos sempre atentos acompanhavam cada movimento
E cada fala nos encontros de família.
Fizestes jus ao seu nome até mesmo na data de sua partida
Papai do Céu te chamou no dia da Festa de Imaculada Conceição.
Oito décadas de história, de luta, de exemplo, de dedicação, de fé e de amor.
Deixaste de ser o céu aqui na terra para nós
Para ser estrela no céu do Pai.
Quando ainda no leito do hospital ouviu de sua filha
Que todos os seus estavam do lado de fora,
Te aguardando, ansiosos,
Apenas respondeste: ‘Estou com Deus’!
Mãe, nossa mãe, obrigado por tudo o que fez por nós.
O seu brilho no céu, ao lado do Pai, será a nossa esperança,
Será a razão de continuarmos a caminhada sempre unidos.
Assim como você sempre gostou
Assim como deve ser uma família...
Mãe, a dor da sua ausência é inexplicável,
O que nos consola é saber que a sua existência não foi em vão.
Te amamos !!!

Que o Papai do Céu te dê o lugar tão merecido
Que Jesus, seu filho, te acolha em seus braços
E que Maria Santíssima te conforte em sua nova vida...
Amém.”

"Poema dedicado à Sra. Maria da Conceição Alves Alexandre.
A Comunidade que participava levou o seu nome e foi justamente no dia 08/12/10, na celebração da Festa de Imaculada Conceição que ela voltou à casa do Pai."

08/12/10

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Na solidão Te encontro

"Na solidão Te encontro
Na solidão te vejo
Na solidão oh meu Senhor
Eu sei que não estou só

Tenho andado por aí tão distraído
Esquecendo-me quem sou, pra onde vou
Mas Tua presença é tão real, Senhor
Que não demoro a querer te reencontrar
Não ouvi os ensinamentos de meus pais
Alcei vôos sem saber o que procurava
Busquei razões para entender a própria vida
E no final eu percebi
Que a minha vida é só em TI."

Ailton Domingues de Oliveira

15/11/10

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Ao redor da mesa

"Ao redor de uma mesa sentam-se pessoas notáveis...
Em cada lar, em cada noite, em cada refeição
O momento sagrado, abençoado,
Que transforma o alimento em refeição
Na simplicidade ou na riqueza
Nos dá o sustento necessário
Momento sagrado, abençoado
Liderado pelas mãos que o manipulam
Ao redor da mesa
Os seus o esperam
Ao redor da mesa
O momento que une, sacraliza  a transformação
Os olhos, a boca, os ouvidos atentos
Os amigos se unem ao redor da mesa
A família se une ao redor da mesa
As decisões são tomadas ao redor da mesa
A refeição simboliza e sela o encontro
De pessoas queridas, distantes, amigas, amadas...
Jesus reuniu os seus,
Ceava com eles e partilhava o pão
Eram seus discípulos...
Para Ele eram mais que isso, eram amigos, eram irmãos
Ceou com eles sua última refeição
Antes de sua morte na cruz
Refeição, alimento, a mesa, sempre sagrada
Ainda é lugar sacralizada, abençoada em cada lar...
Ao redor de uma mesa sentam-se amigos, irmãos,
Filhos, pais, a família..."

Ailton Domingues de Oliveira


28/07/10

domingo, 17 de outubro de 2010

O Sagrado em nós simbolizado

“O Sagrado em nós simbolizado por alianças
Aliança em Deus, em Sua casa, em Sua presença
Nós, frutos de nossos pedidos, desejos, necessidades e sonhos,
Realizados em minha vida e em sua vida
Aos olhos humanos, apenas meras quimeras
Aos cuidados de Deus, filhos amados,
Sofridos em suas independentes histórias
Que se amam mutuamente
E se reconhecem como necessários
Para uma caminhada à dois...
Não há nada que justifique o amor
Não há nada que o impeça
O amor faz a gente crer no impossível
O amor faz a gente ver o invisível
Somos responsáveis por aquilo que cativamos
Já dizia o ‘Pequeno Príncipe’
Somos responsáveis por encontrar o nosso amor
Por amá-lo e também ser amado
Não podemos carregar o fardo de um passado
O qual não tivemos culpa
Podemos sim, sermos fiéis ao nosso sentimento
Jesus já sofreu por nós
Fomos libertos deste fardo
Hoje podemos fazer o nosso melhor
Sendo felizes
Amando-nos e sem medo de caminhar...”

Ailton Domingues de Oliveira

17/11/10

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Simplesmente, SIM!

“Uma única palavra venceu a morte...
Humildade serena
Pureza divina
Incontestável fé
Servidora e Senhora
Mãe e Luz
Céu e Sal
Exemplo e bondade
Simplesmente, Sim!
Companheira fiel
Seguidora e mulher
Santa e única
Mãe de Deus
Nossa Mãe
Mãe da Igreja
Protegei-nos e guardai-nos sempre
Amém”

“Magnificat...”

Ailton Domingues de Oliveira

13/10/10

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

As eleições 2.010

E dizer que brasileiro deixa tudo para última hora, com certeza, é correto. Agora, próximo às eleições, surgem os mais diferentes embates, discussões acaloradas entre pessoas que entoam a voz como a de um advogado de defesa, campanhas pró ou contra, enfim, debates e debates desde os candidatos até ao público eleitoreiro.
Muita gente ainda nem se deu conta que estamos em época de eleição quanto mais em qual candidato irá votar! E neste atual momento acontece de tudo: a compra de votos ou a troca por um óculos ou por uma cesta básica. Tem também os desligados deste planeta que na hora escolhem um santinho na rua, e seja o que Deus quiser, bem como os ‘anuleiros’ que fazem questão de invalidar seu voto.
Movimentos e movimentos, sejam de origem social ou de ordem religiosa, aparecem da mesma forma tomando uma postura moral e ética em prol dos direitos: à vida, educação, moradia, camada de ozônio, água, natureza, animais, etc.
Legal. Ótimo, talvez...
Uma pena!!! Lástima ficaria melhor!
É tarde, pelo menos para esta eleição, é tarde.
Tarde para se falar em política, moral e ética, direitos e deveres. Corre-se o risco de fazer do movimento um fator de alienação imediatista sem resultado concreto. Algumas cabeças até podem se salvar, mudando sua opinião em prol do politicamente moral e ético, e cristão também. Essa minoria, infelizmente, é só a minoria. E continuará sendo eternamente, se os modos operantes não mudarem, não reciclarem, não evoluírem. Estamos tratando apenas com alternativas paliativas. Não atacamos o problema diretamente in foco.
A evolução da tecnologia, a atual era digital em que vivemos, fez das pessoas ainda mais individualistas e que vivem isoladas da realidade. Portanto, afastaram-se cada vez mais do comprometimento cristão e social, quem dirá o político! Até mesmo alguns movimentos religiosos levaram as pessoas a interiorizar-se e se fechar em seu mundo do “eu” e nada mais.
Se chegamos a tal ponto de afastamento da realidade, se não vemos nada mais ao nosso redor, qual será o grau de comprometimento e responsabilidade em fazer justiça votando corretamente em um candidato que valha nos representar lá em cima?...
Hoje, só nos resta pedir que Deus nos abençoe e mais ainda a quem vai assumir o comando da nave mãe.

Ailton Domingues de Oliveira

22/09/10

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Tempo: saudades e ausências

"...E percebi
Que a ausência do estresse também gera estresse.
Amadurecendo e conhecendo a si próprio,
Esse foi um bom caminho percorrido até aqui
Senti saudades, sentia a ausência de ter
Sob o meu comando, ou, melhor dizendo,
Sob as minhas asas a eterna criança
Que eu quis que trilhasse o melhor caminho,
Levando minhas experiências para si
Melhorando as boas, extirpando as ruins...
Mas não é assim.
Na realidade, não ouvimos as vozes do razão
Quando nos achamos ser conhecedores do mundo e entendedores da vida.
Cada um precisa decidir por si.
Senti saudades de ter você, minha admiradora e seguidora,
Minha amiga, parceira e irmã
Senti falta de estar sempre a alguns passos à sua frente
Te alertando e justificando o porquê dos porquês...
Aprendi mais uma vez, no tempo,
Na saudade e na ausência que nos faz amadurecer...
Descobri que o amor não precisa ser dito
A cada instante ou reafirmado em cada palavra,
Basta apenas ter aos olhos do coração, janela da alma,
A certeza do que vivemos e aprendemos, e suspirar na emoção do sentimento.
Chamar-te a atenção não era simplesmente implicância
Acredito ser uma forma de dizer “eu te amo”, pelas avessas
Ser duro, implacável, frio, irredutível, insensível
Era a maneira de conservar a supremacia da sabedoria,
Manter a ordem e a obediência...
Aprendemos, aprendi, que deva existir um equilíbrio,
Ser forte e duro quando necessário e sensível e democrático também.
Independente do que venha acontecer
Vale lembrar que a história Cria raízes, deixa lembranças: saudades e ausências
Nessas linhas, lembrei-me de você
Tão perto, tão longe
Tão longe, tão perto...
Não posso e não quero ser o comandante da sua vida.
Mas posso te dizer, aceitando ou não, gostando ou não
Sobre seus atos e seus reflexos...
Afinal, você é meu dote, minha herança
E mesmo sendo “adotadinha” te considero como irmã legítima: puro-sangue
Amo você!
Não seja nada para os outros...
Seja você, seja feliz, seja por amor..."

Para minha irmã Cinthia.

Ailton Domingues de Oliveira

09/09/10

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Fé, sabedoria e coragem

"Não basta querer
Não basta dizer
É preciso muito mais pra viver
A fé em Jesus
Sabedoria que é luz
Coragem que nos conduz

No mistério da vida em Cristo
Vida eterna Ele nos garantiu
Nosso sim com amor ao projeto
Com fé em Deus Pai, Ele nos serviu

O conhecimento que o mundo ensina
Garante a felicidade em vão
A sabedoria que ele nos oferece
Depende do sim do nosso coração

É preciso muito mais que querer
É preciso muito mais para ser cristão
Renunciar e viver
E coragem pra aceitar a missão"

Ailton Domingues de Oliveira

17/08/10

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Meu Senhor e meu Deus

“Senhor, vai na minha frente
Senhor, abre o meu caminho
Senhor, sei que estás comigo
E agora não me sinto mais sozinho

Senhor, sei do teu sofrimento
Foi teu sangue que lavou os meus pecados
Foram teus braços abertos na cruz
Que abraçaram cada filho amado

Senhor toma a minha vida
Ensina-me a viver o teu amor
Senhor eu quero seguir a Ti
Não quero mais viver a vida de rancor

Senhor, quero ao menos te tocar
Que minh’alma se cure de todo o mal
Senhor, quero agora te servir
Como nos disse, da terra quero ser o sal

Senhor, és o Deus da minha vida
Deus de amor, meu Pai e realeza
Filho amado, doce Espírito, santificador
Minha Luz, inspiração de toda natureza

Meu Senhor e meu Deus
Ouça a minha voz
É seu filho que agora está falando
De todo pecado, quero livrar-me pra te amar
No seu caminho quero seguir te aclamando.”

Ailton Domingues de Oliveira

16/08/10

Doce encontro

1)" Tu me chamaste com teu jeito sereno
Me tocaste de maneira tão profunda
Simplicidade do teu olhar
Foi o bastante pra te aceitar

Tua voz calada em minh’alma ressoa
Tuas mãos chagadas a minha face sentiu
As pegadas que deixaste em minha vida
Foram suficientes pra eu te encontrar

Neste momento, que vou ao seu encontro
Pelas santas mãos que o transformam no pão
Sinto meu coração descompassar
Ao te encontrar frente a frente no Teu altar
Senti-lo em minh’alma é pura emoção
Minhas lágrimas já não seguro mais

2) Chamaste as crianças pra si
Escolhestes os piores para estarem contigo
Abraçastes a causa dos excluídos
Chamou o traidor de seu amigo

Sua morte de cruz não foi em vão
Seu legado é sem fim por toda a terra
Tuas marcas mudaram nossa vidas
Agora somos um povo que em Ti espera

3) O milagre do seu corpo
Em pão transformado
Que sacia a alma de quem o procura
Nos deixa a vida sempre renovada

Seu corpo e seu sangue Senhor
Sim eu quero de coração receber
Digo sim ao Seu Santo Nome
Senhor, Teu amor faz doer"

Música inspirada no momento da comunhão, liturgia da Missa.

Ailton Domingues de Oliveira

16/08/10

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

O Reflexo

"A imagem refletida
No espelho, na água
Sob qualquer raio de luz, formamos a sombra
A imagem contornada de um objeto
O reflexo como impulso
Uma reação diante de uma ação
Tão rápido que não se percebe sua simultaneidade
Uma bola lançada na parede com força
Volta praticamente com a mesma intensidade
Um bom dia entoado com o coração, revela sorrisos
O mal trato gera aspereza, desestimula o ambiente
O reflexo pode ser o gesto com o próximo
O reflexo da bondade, da caridade, do amor e do perdão
Numa ocasião, diante de uma incerteza, um desgosto, não lembro
Olhando para fora do carro, em busca de alguma explicação
Esquecendo de que já tinha tudo o que precisava
Quando resolvi voltar os olhos para frente
Percebi o reflexo da imagem
De Jesus Misericordioso no vidro do carro
A imagem estava sobre o painel
Porém, foi refletida no vidro
Algo tão simples, explicado em detalhes pela física...
Mas e daí?
Naquele momento foi tão real
Um milagre aos olhos
Uma resposta simples ao coração
Diante de um questionamento
Sem pé nem cabeça
Simplesmente, o Reflexo de Deus
Brilhando no escuro dos meus olhos e dizendo:
“Estou aqui e não percebes!”
Não é preciso ter além do que o necessário
Para ser feliz
A Graça de saber viver nos detalhes divinos
Não requer riquezas financeiras
Existe algo que ninguém pode nos tirar
A liberdade de sermos felizes
O contato com Deus
O Deus em nossa vida
A experiência em Jesus
A comunhão eterna
A ação do Espírito Santo em nós
A maior riqueza que o ser humano pode conseguir
Tão aos nossos olhos, porem tão deixada de lado
O Reflexo de Deus em nós
Podemos ser a imagem frente ao espelho, ou, simplesmente ser o espelho ..."

Ailton Domingues de Oliveira

12/08/10

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Aos meus avós

“Ficaria orgulhosa de mim...
Ficariam felizes ao me ver assim
Me deixaram um eterno menino
Me fizeram um homem
Aprendi no silêncio da solidão
A escutar a voz das antigas razões
Suas vozes sempre tão vivas
Sob suas asas veio o meu saber
Na sabedoria de vossas simplicidades
O sentido da vida
O rumo certo indicado por suas mãos
Conduzindo as minhas
A saudade, que dói por não tê-los
Me consola, ao pensar que
De onde estão, ao lado de Deus Pai,
Seu Filho, no Espírito Santo
No colo de Maria Santíssima
Ainda zelam por mim...
Obrigado, simplesmente obrigado...
Não importa ser um estrangeiro nesta vida
Importa sim ser à vocês o orgulho
Humilde e sincero
De quem os ama

Parabéns a você minha avó
Parabéns a todos vocês...

Fiquem em Paz,
A Paz de Deus
No descanso eterno.”

Ailton Domingues de Oliveira

02/08/10

terça-feira, 6 de julho de 2010

Razões

"Razões,
Pelas quais brigamos
Razões pelas quais lutamos
Razões pelas quais choramos
Razões pelas quais sorrimos

Razões,
Pelas quais ouvimos
Razões pelas quais calamos
Razões pelas quais explodimos
Razões pelas quais falamos

Razões,
Pelas quais nascemos
Razões pelas quais morremos
Razões pelas quais chegamos
Razões pelas quais partimos

Razões,
Pelas quais batalhamos
Razões pelas quais guerreamos
Razões pelas quais perdemos
Razões pelas quais derrotamos

Razões,
Pelas quais sofremos
Razões pelas quais apaixonamos
Razões pelas quais vivemos
Razões pelas quais amamos

Razões, simplesmente razões
Motivos e emoções
Sentimentos e razões...
Vida!!!"

Ailton Domingues de Oliveira


06/07/10

domingo, 4 de julho de 2010

História de um domingo

            Domingo. Os meninos brincam no quintal. Lucas é o grande amigo do Felipe aqui no bairro. A diferença de idade não os impedem de vivenciar longas histórias imaginárias neste espaço que se transformou em castelos, florestas, campos de batalhas medievais, e até mesmo numa linda casa habitada por uma bela família, unida e feliz.
            Felipe, com seis anos, é o líder da maior parte das imaginações. Lucas com nove não se intimida e faz parte de toda a encenação vivida neste sonho de fundo de quintal.
            Leio agora “A Cabana”. Ainda no começo, confesso que fiquei um tanto quanto angustiado e comovido ao ler as primeiras páginas. O fato de ter um de seus filhos desaparecidos ou seqüestrado por um assassino me fez cair integralmente neste contexto e me tornou parte viva e interessada em desvendar o quanto antes o mistério do livro.
            Tudo o que tange ao Felipe, como pai, sempre me sinto não só na obrigação social de o educar, mas no sentimento fiel e sincero de o amar e o proteger da melhor forma possível, sem escondê-lo do mundo mas apresentando de forma cautelosa com seus porquês e porens, mostrando sempre o resultado de cada opção.
            Essa noite foi complicada. Felipe não dormiu bem. Alergia, gripe... rinite que sempre o persegue. Falam que tudo melhora com a idade, então torço para que ele cresça rápido e assim pare de sofrer. Mas, ao mesmo tempo é tão bom vê-lo assim, ainda pequeno, ainda posso adentrar suas histórias imaginárias e me transformar em seu herói, que nada teme e tudo vence.
            Noite longa essa... Mas, eu quis estar aqui e como é bom poder estar presente, principalmente quando ele não está bem. Acolhe-lo em meus braços numa tentativa de dizer sem pronunciar que está tudo bem, que tudo vai passar, tudo vai melhorar... Basta confiar em Deus. Queria tanto que seus incômodos fossem transferidos à mim... e que ele paresse de sofrer tanto assim. São tentativas movidas pelo amor e pela fé, de que tudo vai acabar bem.
            Na madrugada, ele se recupera, após o “chá”, de um anjo da guarda... Deus aparece pelos meios mais diversos e se compadece de nosso sofrimento. Sua Perfeição de Pai nunca desampara um filho Teu.
            Nesta noite turbulenta, tantos pedidos de melhora para o Felipe, e ele melhorou. Tantos agradecimentos por estar junto dele, que mesmo no cansaço de uma noite de sono totalmente interrompido não há mal humor que estrague um dia com os raios de sol iluminando nossas vidas.
            Obrigado filho, por ser tão especial e dar tanta razão à minha existência. Obrigado Maria, por fazer parte deste caminhar, de amor e companheirismo. Obrigado meu Deus, pela vida junto aos que amo.

Ailton Domingues de Oliveira

04/07/10

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Deus fala

"Deus fala pelos olhos da criança
Que caminha sozinha sem rumo
Pelos caminhos incertos da vida
Já tão experiente nas curvas do mundo

Deus fala pelo suor do trabalhador
Sem vez, sem voz e oprimido
Que se alimenta da esperança
Ao entardecer de um dia de domingo

Deus fala sem expressar sua voz
No coração inquieto de cada cristão
Consciente de sua vida e seu papel
Que anseia, luta e transforma em pão

Deus fala comigo assim
E com cada um, ao seu melhor modo
Ele toca, alivia e convida
A partir o pão da vida logo

Deus fala com da um
Tecendo, esculpindo, pintando ou escrevendo
Pelas mãos, pela voz, pelo sentimento
Ele chega, de mansinho e eu vou mais querendo"

Ailton Domingues de Oliveira

17/06/10

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Vida entoada nos versos

"Vida entoada nos versos
Do sentimento do poeta
Vida descrita nas linhas
Da visão do profeta

Vida nas vozes dos anjos
Exaltada e cantada
Vida na pele dos artistas
Vivida e encerrada

Vida pintada nas cores
Do arco-íris
Vida sentida em sabores
Das tantas comidas

Vida, no tempo eternizada
Sentida, cantada e exaltada
Nas mãos do Criador
Vida desenhada, esculpida, lapidada

Vida ..."


Ailton Domingues de Oliveira 

17/06/10

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Mãe, nossa mãe


"Mãe, nossa mãe
Mulher escolhida por Deus
Humildade a serviço do Pai
Por seus filhos na terra, rogai

Mãe, nossa mãe
Carregaste no ventre o amor
Senhora mãe de Jesus Salvador
Mãe da Igreja e dos povos também

Guiai nossos passos, mostrai o caminho a seguir
Maria mulher, esposa fiel
Maria de Deus, companheira, na luta do povo
Humildade e poder, és agraciada no céu

Maria, és Tu, protetora dos oprimidos
Mãe dos povos sofridos és bem aventurada
Mulher peregrina, exemplo de amor e ternura
Escolhida de Deus, és iluminada

Maria, pureza, és imaculada
Ave cheia de graça, por todos rogai
Protegei o teu povo, consolai os pequenos
Santa Mãe de Jesus, este mundo amparai"


Música inspirada e dedica à Novena de Imaculada Conceição, Paróquia de São Gaspar Bertoni, Uberlândia, MG
Ailton Domingues de Oliveira

31/05/10

domingo, 30 de maio de 2010

Existe algo sim

"Existe algo, sim,
Existe algo em mim
Uma força que brota
Um desejo de ser, de viver
Uma chama que consome
Mas não mata, apenas alimenta
Em noites de grandes tormentas
Felicidade imperfeita
Sofrimento que fortalece
Me faz permanecer vivo, ativo
Um vigilante alerta
Alerta para a vida vivida e a sê-la
Vida divina mas imperfeita por estas mãos
E que se divide no peito
Razão e emoção
Te querer, tão quanto saber de Tua necessidade
Mostra-mês a cada dia
Na simples alegria
O quão maravilhado sou
Ao aprender ser filho com meu filho
Na simplicidade do pequeno ser
Felicidade no tempo da vida
De toda a vida
Existe algo, sim,
Existe Deus em mim."

Ailton Domingues de Oliveira

30/05/10

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Indissolúvel


Indissolúvel é o Teu Nome Mulher
Por entre gerações, bem aventurada será
Indissolúvel é a Tua história de Amor
Os teus filhos te aclamam, a uma só voz nossa Mãe

Teu exemplo de vida sempre lembrado
Iluminada fé, doçura e gratidão
Sem hesitar aceitou sua missão
Sentiu na alma a dor de seu filho amado

Santidade e pureza, dons divinos
Mulher de tantos nomes, mãe dos pequeninos
De um SIM ecoado pela eternidade
Mãe de Deus, nossa Mãe, perfeita Santidade

Invencível é o teu poder de Rainha
Insuperável é o teu exemplo de amor
Inigualável é a tua humildade de serva
Inabalável, Maria, é a tua fé



Música inspirada nas festividades de "Maria", Mãe de Jesus e nossa, cantada pela primeira vez, na Festa de Imaculada Conceição, Paróquia de São Gaspar Bertoni, Uberlândia-MG. Dezembro/2.010.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Deus chama

“Almas inocentes por vós Eu espero
Almas pequeninas, no Pai, por vós Eu venero
Almas excluídas pela frieza da mundana vida
Almas perdidas, foi por vós que Eu vim

Agonizei no horto das Oliveira
Fui flagelado, humilhado e ferido
Recebi a coroa de espinhos
Carreguei nos ombros a cruz de seus pecados até o calvário
Aceitei o convite do Pai
Nesta mesma cruz abri meus braços
Entreguei meu Espírito ao Pai
Por amor”

Ailton Domingues de Oliveira

25/05/10

quinta-feira, 20 de maio de 2010

À beira do abismo

“Horas, malditas horas,
Que ora perduram!
No tempo incontrolável dos fatos
Sem solução de cunho imediato
Na agonia de uma noite vazia
Angustiante espera
Resultante em quimera
O medo de um novo tropeço
Na confiança deposita no novo
Na nova chance e oportunidade da vida...
Meu Deus,
Vejo o abismo próximo
Uma forte correnteza
Que me arrastou à sua beira
O medo, a insegurança... dúvidas, talvez!
Sensações do sentimento ferido
No corpo refletido
Dor incontrolável que não há remédio
Silêncio profundo do tempo
Calada noite
Em Deus segurada
Entranhas de um mundo ainda desconhecido...
No ouvir do som de tua voz
Toda estranheza se transforma em leveza
Alívio imediato
A indistinção do querer estar bem
Ainda estando ferido
Nas palavras incompreendido
Não te querer por hora
Mas te desejar desde outrora
Até o raiar de outras auroras
É o que se cravou no mais íntimo e empedernido canto
Deste corpo que sente tanto,
A falta do calor dos teus abraços...
O medo de sofrer após tanta felicidade
Assombrou nesta noite já encerrada...
Nem tudo ficou no seu devido lugar
E por onde agora começar?
Deus conosco neste momento
E em todo sempre estará.
Certo de cada palpitação por ti sentida
Consciente de tua importância em minha vida
Na paisagem deste abismo
Visto numa noite sombria
Agora já se transformando
De lágrimas em sorrisos
De frio em calor
De folhas secas em flores...
Amor se sente vivendo intensamente...
Na certeza de querer estar
A cada instante mais e mais
Seguindo neste caminho único de amor e paz
Ao teu lado, em Deus, hei de trilhar
Mulher de fibra
Te quero em todas as estações de minha vida.”

Ailton Domingues de Oliveira

20/05/10

segunda-feira, 10 de maio de 2010

O tempo e a distância

“Fez-se necessário o aprendizado pela dor
Assim, foi dado o devido valor
Ao que se perdeu em si...
Tempo e distância que caminham lado a lado
Foi o apoio do crescimento
Foi preciso esperar na Fé
O tempo passar lentamente
E sentir em cada segundo passado
A distância do que ficou marcado
Feridas se fecharam
Flores se abriram em novas primaveras
Esperança renascida, em nova vida
Valores resgatados, em novos aprendizados
O tempo, companheiro
A distância, mal necessário
Foi com ele que Deus ajudou-me na superação das mágoas
Foi com ela que também Ele,
Fez-me crescer, tal qual a fruta verde,
Agora, já aparentada de uma nova cor
Pelo tempo, pelo sol, pela chuva
Na brisa de cada estação
Tempo e distância
Fizeram o cenário da mente e do coração
Ansioso por um futuro
Agora, já presente
Tempo e distância
Ousadia, esforço, querer
Mas antes de tudo a Fé
Alimentada, vivida e crescida
Em cada gota de lágrima derramada
Lições aprendidas
Histórias vividas
Experiências sofridas
Mas hoje uma nova vida
Bastou olhar nos olhos do tempo
E rever as primeiras lições
Que nem ele e nem a distância apagaram
E assim, resgatar os princípios da vida e da fé
O tempo hoje, companheiro
Que divide cada segundo da história real
A distância, amiga que se tornou
Agora reconhecida e merecida
Para o verdadeiro amadurecimento
Eles, ainda, transpassam a dor
Mas, valeu cada segundo, cada milímetro.
Eis-me aqui Senhor!”

Ailton Domingues de Oliveira

10/05/10

sexta-feira, 23 de abril de 2010

O que seria da vida sem os problemas?

            Pensar de maneira otimista que os problemas são meras criações da mente humana é uma forma razoável e talvez coerente de encarar os desafios, enfrentar as dificuldades, sem se deixar abalar pelas conseqüências dos mesmos.
            Funcional para muitos, mas não para todos.
            Quase que uma forma de resistência, os pensamentos “pra cima” funcionam como anticorpos, estratégia de defesa. Assim, o ser humano estando preparado, munido de capacidade mental positiva, os desatinos inesperados são facilmente absorvidos e digeridos sem abalar o sistema.
            Caso Jesus não tivesse passado pelo calvário de dor, angústia, solidão, traição; caso não tivesse carregado sua cruz por nós; caso a cruz, motivo de tantos sofrimentos, não existisse em sua história, sua vida não teria tanto sentido como filho obediente ao pai, mestre comprometido com seus discípulos, pastor protetor de seu rebanho, salvador pela excelência do amor.
            Assim sendo, a cruz é não somente duas vigas de madeira pregadas, mas matéria viva e real na história de toda a humanidade personificada na imagem de Cristo, lembrança de amor e doação, sofrimento e edificação, tropeço e aprendizado, derrota e vitória, morte e vida.
            A dificuldade bem encarada, de maneira consciente compreendida, ajuda na edificação do ser. Fazer dela, a dificuldade, um calvário sem cruz e sem objetivo, e viver sentado nele é como se acomodar com a dor sem buscar remédio para sua melhora.
            O calvário é uma passagem. A cruz é um objetivo, o início e o fim.
            Fazer da dor, do sofrimento uma lição de vida é querer acertar cada vez mais e assim evitar muita mais ainda os erros.
            “Se não houvesse tantos problemas não precisaria de sua presença.” Essa frase é típica em empresas que expressam de maneira muito mais irônica que positiva aos seus funcionários que reclamam pelo grau de dificuldade encontrado nas tarefas diárias. A sensação de resolver um problema, seja matemático ou de outra ordem, reduz-se a um alívio de dever cumprido. E com isso, adquire-se a experiência. O caminho percorrido custou tempo e raciocínio, mas valeu.
            A experiência da cruz é magnífica. Nos damos conta disso com muito custo, paciência e busca de entendimento. Fechar os olhos para os problemas é não assumir sua cruz. É correr no sentido oposto. Levando em consideração a máxima que o mundo é redondo, existe a grande chance de a encontrarmos, e talvez em condições não favoráveis.
Podemos considerar que existem inúmeros problemas que afligem o ser humano, como exemplos os de natureza pessoal e os de ordem social, porém neste texto a abordagem se dá apenas para o primeiro.
O desespero, diante das adversidades diárias, pode sim derrubar até os mais preparados e otimistas. Não existe campeão que nunca conheceu a derrota ou que nunca teve medo. Em cada uma delas o reconhecimento de se preparar melhor para a próxima oportunidade.
Jesus experimentou muitas angústias: ao ser traído, ao ser negado, quando o prenderam, quando estava de braços abertos na cruz clamando ao Pai por que o abandonou... Sua fé, determinação e amor o libertaram de qualquer sentimento pessimista.
Assim, não se igualando a Ele, mas seguindo o seu exemplo de maneira, a mais razoável e coerente possível, podemos então começar a entender e vivenciar um pouco de nossa cruz em vida, se assim nos dizemos cristãos.
A cruz nossa de cada dia: bem vinda em nossa vida!


Ailton  Domingues de Oliveira

23/04/10

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Oração por um ano.

“Na busca de uma resposta, por uma indagação desconhecida,
Rumos diversos surgiram, fantasmas apareceram, pedras semelhantes talvez,
A felicidade tão procurada, tão almejada
Numa distância inacreditável
Num ponto desconhecido e não procurado
A experiência de Deus
Trouxe-a em minha presente vida vivida
Vivida e não mais sobrevivida
A simplicidade dos fatos, a necessidade do saber de Deus
Ele, fonte de sustentação
Pilar mestre da minha construção
Jesus, o arquiteto da vida, O condutor fiel
Eu, o aprendiz, de suas lições, apaixonado por sua vida
Idealizada no amor, na caridade, na simplicidade
Nessa busca de tantos encontros, em tantos momentos
Agradeço a cada única e tão somente única
Oportunidade de vivenciar a fé
Tão testada e as vezes fragilizada
Em minha humana fraqueza
E descrença no homem
Mas que em cada amanhecer
Se restaura, radiante como sol,
E me faz sentir fortalecido
E cheio de certeza que esta vitória
É diária, tanto quanto a luta
Encontrar pessoas de semelhantes pensamentos
É como encontrar uma estrela numa linda noite, de luar radiante
Pontos eqüidistantes que nos separam
Um céu que nos une
Uma lua que nos ilumina e enfeita
Mística da fé
Amor do Pai
Comunhão do Filho
Minha fidelidade
Obrigado Deus
Por ter entregue seu filho
Santo e Salvador de mim, de nós, imperfeitos.
Obrigado pela Graça da Vida
Luz que clareia meus passos
Ilumina minha vida
E me orienta no Seu caminho.
Amém.

(Exatamente neste dia, há um ano atrás, retomei o que havia de mais importante e precioso em minha vida, em meu coração: o caminho único de Deus)

Ailton Domingues de Oliveira

19/04/10

domingo, 18 de abril de 2010

Eu fico com a certeza de Deus

"Eu fico com a certeza de Deus
De um Pai que ma seu filho
Eu fico com a pureza das coisas
Criadas pelo toque Divino

A graça e a beleza da vida
Não está riqueza do mundo
O sangue derramado na Cruz
É o amor de quem pode tudo

A busca em Jesus Salvador
Nos leva ao caminho da Luz
O Temor em Deus Pai Criador
Neste caminho também nos conduz"


Ailton Domingues de Oliveira

18/04/10
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Receba os conteúdos por email