segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Partilhando metáforas


Se no acaso está a graça da oportunidade,
São os olhos da alma que a enxergam com sensibilidade.

Na travessia de um rio, de um dia de calor ou de frio,
Um período ou um ano, uma noite, um céu e um sertão,
A certeza única dessa estrada são os momentos que saudades deixarão.

Diante das circunstâncias que a vida nos apresenta
É com o poder da oração, legado dos pais, que Deus nos orienta.

E nesse mundo repleto de complexidade
A soma simples de "si mesmo + Deus"
É o resultado que se me apresenta em "unidade".

Interessar-se pelo outro é despojar-se de si, papel do cristão
Enxergar o humano, além das diferenças e dificuldades
É transpor limites e barreiras e abraçar um irmão.

Mas o mundo também nos mostra a beleza da Criação
o que permanece para os outros? é aquilo que plantamos no recanto do coração.

Nada vale mais que um dedo de boa prosa e sabedoria, afinal
Pois na vida o emocional é anterior ao intelectual.

E o quão o mundo poderia experimentar a vida com mais alegria
Se houvesse um cantinho que fosse, no coração, para se semear poesia?

O tempo passa e muitos momentos se eternizam na consciência
Pois em tudo e em todas as coisas existe a sacralidade: transcendência.

Com os olhos se faz poesia, no silêncio se faz oração, a qualquer tempo
Mas há quem, em sagrada plasmação, em sua sabedoria se tornou o nosso exemplo.

E se a vida é uma dádiva, vivê-la é uma sacra arte
Há quem morra sem ter vivido e quem jamais deixará de nos fazer parte.

Em meio há tantas relações deturpadas de um mundo imprevisto
Há quem viva e testemunhe a união: eu, tu e Cristo.

Mas então, o que nos une? Nesse lugar descontrolado
Somente a Paz, Crucificado e Ressuscitado.

Deus nos deixou uma missão, do corpo e da alma:
Respeitar a inviolabilidade da pessoa humana.

Com cada próximo, empatia e cuidado pra viver
Em cada ato, alteridade que ultrapassa o próprio ser.

No ciclo desse tempo, desses anos em travessia
O que se eterniza em cada um é o Diálogo e Teologia.

"Tá caindo fulô! Ta caindo flor!"
Vai chover saudade, vai chover amor.

De nada nos valeria todo tempo e toda a oração
Se no fim não percebêssemos o bem no outro, compreensão.

Mas, e agora José?
E agora Gelson?
Compadre meu Quelemém!
Momentos que o tempo não leva, não apaga
São pinturas coloridas, eternizadas.
Muita gente partiu antes
Muita gente nem embarcou
Mas muitas almas aqui se tornaram grandes
E deixará saudade nas estações que passou.
Tropeçamos mas aprendemos.
Desentendemos mas também superamos...
Tá chegando a hora, é a nossa deixa, a nossa estação
E o trem haverá de ser noutra direção.
Cada um na sua, talvez
Seguindo a escolha que o coração fez...

E agora, Capitão, meu Capitão?!
O tempo se tornará grande em nossas noites
Que mesmo diante do cansaço dos dias
Estar aqui, alimenta-nos a alma e nos enche de alegria.
Nesse espaço de travessias
Onde tem fé e utopias
O simples se torna belo,
E do belo se sente o sagrado
A caminhada nos cria elos
E o caminhar, perfumado.
Mas, nos dias solitários, 
Nas noites estreladas
Segurando o rosário,
Voltaremos os olhos aos céus
E nos acolheremos com os olhos marejados
Pois, "a gente está no coração de Deus".



Ao Profº Gelson e alunos do 5º e do 7º Período de Teologia, aula de Temas Especiais: Hermenêutica: Zé Cezário, Bruno, Luciano, Edmar, Pedro, Valéria, Marcelo, Firmino, Luciane, Divoene, Jaqueline, Roseny, Regismar, Ricardo, Eimar, Elissandre, Ailton, Mersônia, Denise, Frei Carlos, Juscelino, Aline.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Receba os conteúdos por email