segunda-feira, 17 de junho de 2013

In-versus


Ah,
Se a vida começasse ao contrário.
Se nascêssemos grande, se nascêssemos com experiência...
Como seria?
Seria louca?
Nasceríamos cientes, conscientes
Inteiros, intelectos, intactos,
Cidadãos formados, m
ais civilizados,
Mais... bem mais...

Seria como ver o mar se transformar em rios
Rios em riachos, riachos em córregos
Que mapeariam as terras mais longínquas
Que levariam suas águas por todos os cantos
Que saciariam a todas as bocas
Não haveria infertilidade
Não haveria desigualdade...
Não haveria escassez...

Seria como ver o fruto se transformar em flor
Seria ...
Seria a experiência de um adulto
Compactando-se na regressão do tempo
O tempo transformando a essência sólida
Em pureza de criança
E como criança, carregada de amor e esperança...

O tempo não se contaria mais...
O relógio não precisaria girar ao contrário
Bastaria a despreocupação das horas marcadas
Bastaria apenas saber que era preciso viver
Bastaria a vida: absoluta, prêmio, amor...

A morte não seria tão incógnita
Tão tenebrosa, tão traiçoeira
Misteriosa...
Não seria motivo de tanto medo, incertezas
Viver não seria sobreviver
Viver não seria preciso temer
Viver não seria preciso em si morrer
Viver não seria preciso pisar
Viver não seria disputar
Viver não seria derrubar
Viver não seria só vencer
Viver, seria...viver!

Mas a vida não é inversa
Nem avessa,
Travessa sim
Vida sem vida é fim
Fim é para quem não viveu
Vida sem vida é morte em vida!
Vida, vida, vida minha,
Louca vida
Varrida
Traquina
Vida é única, em linha contínua 
No tempo que se tem e se vive...

Talvez, se começasse ao contrário
Não haveriam tantos erros...

"Toda pessoa morre
Mas nem toda pessoa vive..."
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Receba os conteúdos por email