segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Eu sou assim

"Dispenso-te
Da obrigação de me entender
Da insatisfação de conviver
Deixe-me no silêncio inquieto
Sem fronteiras, sem barreiras
De peito aberto
Não queira saber somo sou
Não se importe como estou
Sou assim,
Nem por você, nem por mim...

Dispenso-te
Da companhia melancólica
Do semblante abatido
Das fantasias e retóricas
Do sonhar infinito
Da fé que oscila
Do platônico sentimento
Do vulcão que culmina
Da inconstância do momento
Sou assim,
Nem por você, nem por mim...

Minha solidão que ora assola
Que não vá embora agora
Que me eleva em Deus nessas horas
Que me remete às batalhas de outrora
Que me faz simplesmente sobreviver
Nas horas que queria desaparecer...
Sou assim...

Meu momento que parece tormento
Uma batalha apenas no pensamento
Dureza, dor, alegria... sentimento...
Se sim ou se não
Se agora ou depois
Se aqui ou lá
Então, pois...
Nostalgia?
Rebeldia?
Alegria?
Não se iluda...
Não se confunda...
Não se intimide...
Não se irrite...
Seja o que quiser...

Eu, sou assim..."

Ailton Domingues de Oliveira

09/09/11
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Receba os conteúdos por email