terça-feira, 24 de março de 2015

O jogo dos 7 erros





Aêêêê! É nóis na fita!
Amém, Axé, Auerê!

Por onde começar? São tantas emoções e razões que... que... que... Que na real preciso tomar cuidado para não acenderem uma fogueira santa aos meus pés antes da devida hora. 

Numa das páginas que criei no Facebook, para os devidos fins de informação e formação da Comunidade onde participo, uma pessoa postou um convite incentivando a participação no Grupo de Oração. Beleza! Bem redigido por sinal. Começo, meio e fim! Começo "ok", fim "ok"... mas o meio, esse lascou!

Vamos lá. Sei que de certa forma vou contribuir com as lenhas para a minha santa fogueira, mas enfim, rendo-me ao absoluto desejo de escrever com os devidos ingredientes para apimentar e as eloquentes razões para argumentar. O caldo vai ficar picante!

Eis o "X" da questão, ou melhor, o meio propriamente dito: "(...) O Senhor tem um desejo imenso de amar a cada um de nós (...)". O convite é feito com a saudação inicial e referências sobre local, data e hora do encontro. Em seguida vem a questão da frase acima seguida por "(...) e nós temos a imensa necessidade desse amor (...)." Então, li, reli, e até respondi na página tecendo um comentário mas voltei atrás e apaguei, mantendo-me no silêncio não obsequioso. Foi uma questão de hora e lugar impróprios para a resposta. E, talvez, a percepção do sentido da frase foi somente minha. Melhor mesmo é escrever no meu espacinho aqui.

Lembrei-me daquela brincadeira que a gente encontra em alguns gibis e revistinhas infantis: "O jogo dos sete erros". O sete é um número interessante mesmo: "Setenta vezes sete devemos perdoar os nossos irmãos"; "de Maria Madalena saíram sete demônios", dentre outros mais. Aí, inspirei-me no sete para o título dessa bagaça. 

Voltando para o "sete" da questão: "O Senhor tem um desejo imenso de amar a cada um de nós." Não! Ele não tem desejo, porque ele simplesmente ama incondicionalmente. Isso diz e resume tudo sem precisar entrar em questões mais profundas. Desejo está mais para o ser humano. O Senhor, filho de Deus, que deu sua vida por nós não tem um desejo imenso de amar a cada um de nós porque Ele amou e ama. E pronto! E ponto!

A impressão é que somente atendendo ao convite para participar do G.O. é que "o Senhor" realizará o seu imenso desejo de amar a cada um de nós. Então quem não participa não é amado? Mas Deus não nos ama incondicionalmente? E quem não é adepto do Catolicismo? E quem não participa do movimento carismático? 

No fundo eu entendi o "sete" do sentido mas considero tais formas de se achegarem aos demais uma característica de consciência meramente mágica. E o mágico quando alimentado de forma ingênua pode se tornar trágico. Uma vez que a fala do dirigente ou coordenador tem um certo poder de alcance o cuidado com as palavras deve ser redobrado. Dizer por dizer até satanás diz. É preciso não apenas esperar pelo agir do Espírito Santo. É preciso mesmo mergulhar em águas mais profundas do estudo e da oração para então se ter uma prática alicerçada. É preciso ultrapassar as barreiras do ócio do auto-entendimento e tirar os tapa-olhos para que a "brisa suave" se achegue. Levar as coisas no impulsão é praticamente fomentar o ópio.

E assim caminha a humanidade. Não escrevi na página onde o convite procedeu-se para não fazer de lá um palco de discussão e desentendimento. Aqui, porém, não tive a mesma humildade. Nem preciso confessar isso porque se você leu até o final já concluiu por si próprio. 

E só mais um detalhe: se for oferecer madeira para a fogueira no dia da minha inquisição, por favor, seja um bom cristão e um exemplo de cidadão protetor da natureza. Certifique-se de que não está cortando árvores indevidamente.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Receba os conteúdos por email